LVIII

Oásis

Adoro quando nos encontramos ao acaso
quando sentimos a presença um e do outro na encruzilhada de olhares
e nos cumprimentamos levantando a mão fazendo um "Olá"
Perguntamos o estado um do outro com os mesmos olhares,
acenando a cabeça para as laterais
dizendo "Mais ou Menos, E que não consigo ficar sem ti por perto"
[...]
E assim as nossas conversas vão fluindo...com ligeiros sorrisos
Até nos aproximarmos, e trocarmos um longo e forte abraço
Dar-te um beijo na testa e sentir cheiro dos teus cachos
Destarte, perceber que o meu mundo orbita no teu oásis.

LV

Quem Somos Nós

Geração Y - Millennials
Somos heroís desconhecidos,
sem capa, sem farda, e sem arma
Desempregados e sem precedentes,
vivendo do sabor de uma vida mal amada..

Vivíamos sob o teto do governo português
onde sentimos na pele a repressão e a opressão
35 anos mais tarde,
o governo é outro mas a escravatura é a mesma,
pois a luta agora é contra o peculato e a corrupção.

Geração Z
Somos jovens suicidas,
asfixiados pela demanda de expectativa
a dizer aos outros jovens que o suicídio não é a solução.

Somos fumantes,
Mas optamos pela palavra "amante"
O pulmão e o coração, inocentes,
algemados numa nebula de fumo,
expelindo pela boca o odor do defunto
que aos poucos vai cavando o seu próprio túmulo.

Outrora ancestrais com catanas, hoje
filhos com lápis e esferográfica
a caminho de três formações mal formadas
Luandando no final da tarde,
depois de sair da Baixa para o CV entregar,
bombom com ginguba é o nosso jantar.

Geração Alpha
Somos crianças desta nação
desnutridos de sonhos,
magros, alimentados por um futuro intrigante
onde a esperança a cada mês perece.

Parece que temos escolha, mas não
É tipo a democracia cá na banda,
uma mera ilusão...

Adolescente de 15 anos
prostitui-se para alimentar a família
O pai, indignado, deita fora a comida
A mãe faz prantos, e acusa a igreja de bruxaria
a irmã, carente e desnutrida, passa à fome
enquanto o irmão ajuda com o que pode
fazendo assaltos na ponte.

Quem somos nós? Quem sou eu!?
Para ser honesto,
e sem mencionar o resto,
não sei quem sou, por que eu luto
e nem tão pouco para onde vou.

Sinto nada, cansei-me de tudo
Sigo avante como manda o hino
buscando e abraçando o pouco
e do pouco que consigo
já é o suficiente pra garantir um copo
ou quem sabe um corpo
Até porque lixado já estou,
mas solitário é que não fico.


LII

Tudo Vale!

Tudo vale!
Nesse jogo não há batotas
Tua vitória é minha vitória
Destarte, não haver derrotas

Tudo vale!
No tapete ou na cama
Na cozinha ou na sala
No quarto das crianças
ou mesmo na varanda

Aonde quer que seja,
o importante mesmo é fazer
Mas que se faça bem!
O que é mal feito causa arrependimentos
Então façamos, meu bem

Tudo vale!
Pegar na peruca ou rasgar a camisa
Com ou sem camisinha
Rápido e forte
Ou gostoso e lento

Tudo vale!
Desarrumar a casa ou quebrar a mobília
Deixar que os vizinhos chamem a policia
Em tempos de tréguas ou intrigas
Temos de saber que haverá sempre carícias

Aonde quer que seja,
o importante mesmo é fazer
Mas que se faça bem!
O que é mal feito, causa arrependimentos
Então façamos, meu bem

Até porque,
nesse jogo vale tudo
Só não vale mesmo
é acordar as crianças.

LI

Bilhete de Passagem

Uns viajam para esquecer, eu viajo para recordar
Quer das tristezas, quer das felicidades
Para espairecer, me achar
Tanto das vivências, quer das afinidades

Diga-se de passagem que o futuro actual é a miragem do passado
Por isso, escolho diariamente viajar na reminiscência do nosso amor
E como preço tenho vislumbres das tempestades e turbulências
Rezando que os ventos tragam nos seus sopros o teu odor
Para que, pela última vez, possa me confortar nas recordações,
aquando sentávamos no pátio
Falando por horas afinco
Eu e as minhas anedotas
Tu e os teus sorrisos
Dois rostos cheios de vincos

É também adormecer nos sopros dos ventos
E lembrar daquilo tudo que nos aconteceu
Dos abraços que não demos, das discussões que tivemos
O que somos agora é o fruto de um adeus mal dado
De um amor mal retornado
E inclusive do apego forçado

Bilhete de Passagem (def.)
é quando deixo o presente para embarcar nas tuas histórias
Descalço, correndo por ti, entre as nebulosas trilhas
Na falta de guia, vou seguindo o relógio sem me preocupar com as horas
Falando sobre planos, até que se faça chover utopias.

XLIX

On-line

De manhã, o relógio marca 7hr
A luz matinal vai entrando,
escapando pelo buraco da janela
coberto por cortinas semiabertas

Cama desarrumada, lençois amarrotados
Somos cumprimentados pela luz fraca
que aterra sobre os nossos corpos
maculados, despidos como anjos

Que corpo é este, tão terno e afável, que jaz sobre o meu?
Que alma febril é esta, que me faz companhia nesta cama tão gelada como o céu?

Receio de acordá-la, mas por outro lado anseio por conhecê-la
Anseio por saber como chegou nesta cama,
e como durante a noite
ousou despir a minha solitária alma

Enfim
A calma já não reside em mim,
Chá de camomila para me acalmar,
pois peito ainda sente a repercussão daquele beijo

O coração ainda sente as vertigens
causadas pela lubricidade daqueles lábios,
rosáceos, carnudos
softs como manteiga derretida no canudo

Os nossos lábios,
como navios em alto mar
sem bússola sem vento
embateram-se um ao outro

As línguas à deriva em todas as partes do corpo,
apreciando cada onda, cada mergulho
até cair nas profundidades
das nossas profanas concavidades
Onde instigamos os gostos, odores e orgulhos
até nos afundarmos no orgasmo mútuo

Ai...
Quem é?
Mas quem é?
Será que algum dia te vou voltar a ver?

Penso nestas questões todos os dias, todas as noites
Esperando pelo momento em que entras on-line e possas me dizer novamente o teu nome...

XLVIII

Cabernet Sauvignon

Degustar é ter a tua boca como decanter
E ter o Sommelier em minha merçê
Deixar aromas serem libertados que nem combustão
Sabores picantes que nem comichão
Em cada beijo, em cada degustação
O teor alcoólico é a suculenta saliva
Pertinentes dessas almas desconhecidas
O dialecto é o contacto das linguas
E são os nossos gestos, a intensidade do calor
Que ditam a textura e a cor
Do nosso tão amado Cabernet Sauvignon.
XLII

The Moon Behind The Grey Clouds

Her life it's like the vast sky full of clouds in the night's eve.
There is no stars, there is no shine.
There is nothing beautiful in it.
Only the fresh winds along with sad memories. So do I when I look at her.
I see nothing but her pale face like a moon hidden behind grey clouds.
Shy of its own beauty.
Scared with the scars she was blessed with
My sweet darling. Your life is like the sky full of clouds in the night's eve. You, the moon, decide if you keep glowing or not.
Doesn't matter what you do, or what you feel. Let the spectrum of your lights reflect in the water.
You shall set free the lights present in the holes of your body.
You shall ignore the ones that do not appreciate you the way I do
Because, in the darkest nights I will not lose my mind, nor I will lose you...
Just keep the lights of your holes on.
In case if I get lost in the water that your spectrum reflects on.

XLII

Uma Morte Anunciada

Aos olhos peregrinos
sou um mundano moribundo,
atravessando buracos profundos,
pouco se lixando
com as repercussões do futuro
 
Que nem uma bela poesia,
encarcerada, dentro de uma caixa,
sem vida, perdida,
sem chance de ser encontrada,
vivo na mais abismal escuridão,
de segunda a domingo
em aguda depressão,
perguntando-me o que seria <<se>>
se os planos não tivessem falido...

Às vezes desejo morrer,
mas são tantos problemas
que ela acaba se tornando
a última na lista de afazeres

Então, perece uma nova esperança,
nasce mais um sentimento de vingança
Este, porém, é engolido pela garganta,
ficando inerte, para sempre, nas entranhas

Nunca perdi ninguém na vida
Não obstante a morte e o futuro
serem os meus maiores medos
A morte dos pais, dos irmãos,
dos amigos e dos filhos
O medo da carreira fracassada,
de amar e não ser amado
O medo do divórcio,
e outras coisas do quotidiano...

Rumo numa jornada solitária,
enfrentando fantasmas na hora do dia
Sinto que minha presença
causa repúdio à luz ensolarada...
Pudera! Sou um homem sem crença,
cético de tudo que me entra na cabeça

Os comprimidos,
que antes ajudavam-me a dormir
e suavizar o meu fim,
hoje já não fazem efeito algum
Então, a prescrição do doutor passou a ser:
<<sorrir>>

O sorriso, lentamente,
transformou-se em risadas
para esconder o choro seco e as mágoas
Infelizmente nessas risadas, sou uma corrente rasa...
Que adianta?! Se tudo que julgo passar, não passa!!

XL

Words I fail to say, But my heart yells them

There are things we never forget
Like a hug
The very first kiss
The body in the bedsheet
Like labyrinth, knowing
Every corner of it

There are things meant to be unforgettable
Like the face of our childhood love
Her doll face in a mermaid body
The female innocence

There are things that are never enough to be said...
Like "I love you"
"I miss you"
"I wish you could be here"

I am a poet
But these are the words that pains me the most to say
And
There are words like "I'm sorry"
Words like these that my heart yells
Everytime
Everyday
That it should be years now
Without stopping...